Em um mundo de 140 caracteres, as vezes eu preciso de um pouco mais do que isso pra expressar meus pensamentos... ou não...

Em 140 caracteres, eu disse...

Programar é preciso. Viver não é preciso.

Programar é uma arte!

E assim eu começo meu texto que tem tudo para ser polêmico. Eu já me vi de frente com essa frase diversas vezes, e já encontrei as mais diversas respostas sobre o assunto. Tá, falei, falei e não disse nada. Vamos com calma…

Não pretendo aqui discutir o sentido da palavra arte, nem os milhões de argumentos que cercam essa discussão. Já adianto que não espero, neste caso, que o resultado do trabalho do programador-artista seja algo útil (Aplicativos de iPhone para fazer som de pum?!?), mas tentarei na medida do possível deixar clara cada uma das suposições que apóiam o meu ponto de vista.

Sim, programar é uma arte. Uma vez um professor meu falou algo (sobre sistemas operacionais) que eu vou transpor para o mundo da programação: “É quase um milagre um programa funcionar. Ele tem tantos pontos para falhar, e isso acontece na menor parte das vezes.”.

Porém, quando se fala de arte, logo eu já faço uma associação direta com criatividade. Não, não acho que a palavra certa para o caso da programação seja criatividade, apesar de reconhecer que muitos casos exigem uma dose de criatividade. Acho que a palavra pro caso é “inventividade”. Acho que um bom programador é “inventivo” em suas soluções. Reunir uma dúzia de linhas de códigos e dar algum sentido pra elas, dar uma função, é algo diferente de ser criativo (em minha opinião, claro).

Mas então, por que tudo isso? Bem, não sei explicar direito, só queria deixar registrado esse meu pensamento em algum lugar. Ele me serve de base pra muitas das decisões que eu tomo, ou sobre as avaliações que eu faço sobre tudo que eu uso no meu dia-a-dia.

Engraçado que essa questão de ser ou não uma arte me leva indiretamente a outro ponto muito polêmico (que eu tentarei juntar com o assunto anterior): “Utilizar um software de código aberto ou de código fechado?”.

Antes que algum defensor de qualquer modalidade venha para o meu lado com pedras na mão, eu já aviso, não sou defensor de nenhuma das duas modalidades. Por quê?

Eu acho que software bom é software que resolve o problema. Acredito que as “regras do jogo” atualmente (certas ou erradas) favorecem sim o desenvolvimento de software de código fechado, e que isso vai durar muito tempo ainda.

Como eu falei, eu acredito em software que funcione, e não em ideologias. Eu vejo uma linha muito forte de pensamento no software livre que defende a liberdade pela liberdade, mas na prática, isso não tem funcionado para coisas que precisam funcionar.

Vamos lá chutar cachorro morto (peço desculpas, mas é só pra mostrar o meu ponto). O Open Office é um projeto fantástico, excelente, a idéia é muito boa, mas nunca vai pra frente. O projeto está sempre carente de desenvolvedores, e por isso demora em soltar uma nova versão, ou pra aplicar alguma melhoria. Muitas empresas por ai até tentam usar ele, mas elas começam com aquela idéia de “free = grátis”. Logo, elas não geram nenhuma melhoria para a comunidade, e mais, ainda esperam que algo novo e melhor seja feito.

Confuso? Pois é, eu vejo esse modelo sendo replicado desde os consumidores finais (que na maioria dos casos não vão mesmo ter capacidade de melhorar nada), passando pelas empresas e chegando à própria comunidade. Sim, a própria comunidade espera, muitas vezes, que alguém faça algo. Cadê o projeto Fedora depois que a Red Hat saiu? Hoje, o ubuntu é o que é porque a Canonical investe muito dinheiro dela no desenvolvimento. Mas quem financia isso? A comunidade?

Claro, a minha crítica não pode ser estendida a toda comunidade, que muitas vezes faz um trabalho fantástico, mas existe ai um ruído que atrapalha todo o processo. Gente que vem falando “Não use esse programa, é proprietário e bla bla”. Mas poxa vida, ele resolve o problema. Aplicativos como o Office da Microsoft, ou o Photoshop da Adobe não são líderes por acaso. Eles são atualizados e funcionam. As alternativas livres que temos pra esses sistemas não são boas, e não resolvem o problema na prática.

Agora juntando tudo, porque esse texto já vai me dar muita dor de cabeça pelo tanto de coisa polêmica: Programar é uma arte, mas o resultado disso não é uma obra de arte. Achar que só pelo fato de ter feito torna a coisa um objeto superior não dá. E é o que acontece muitas vezes. Isso gera programas ruins, que são defendidos somente por sua ideologia, mas não pela sua real capacidade de resolver um problema.

Nossa, depois de tanta coisa (confusa), melhor eu tomar um chá para me preparar para as pedradas.

Das decisões da vida online

Este post é uma resposta a esse artigo sobre o bing na mestre seo.

Eu posso estar enganado, mas a microsoft está fazendo com o bing o mesmo que ela está fazendo com o xbox. Vapoware.

Na verdade, ela fez algo mais interessante ainda com o bing. Ela mudou o terreno de batalha. Ao não anunciar o bing como um search engine, mas como um decision engine, ela mudou a batalha de lugar.

Isso é muito importante, visto que nenhum concorrente bateu o google até hoje. Tanto que logo em seguida surgiu em vários lugares o tal decision engine do google. Logo, no campo de decision engine, o bing é o pioneiro.

Mas o que o bing faz de diferente? Até o momento, nada, exceto não se chamar de search engine. Pra mim essa é a única sacada genial do bing.

Vamos esperar as cenas dos próximos capítulos para ver no que isso vai dar… Haja café para esperar.

Criando uma conta no technorati

Technorati Profile

Update: Meu rank? 2.474.868 o/ O topo que me aguarde, estou chegando lá!

Valendo 1 livro… e um emprego.

Vi no twitter, a promoção no site da Samegui, sobre sites de colocação profissional.

Atualmente eu faço mestrado, e sai direto da graduação pra cá. Nesse tempo, sinto que quanto mais tempo eu passo na academia, mais longe eu pareço estar do mercado de trabalho. Não sei dizer o quanto disso é verdade…

E o que uma coisa tem com a outra? Tem que quando terminar o mestrado, eu decidi ir direto pro mercado de trabalho. Depois de uma experiência ruim que tive empreendendo, vou pro mercado ver como as coisas funcionam lá, e quem sabe no futuro eu volto com um negócio meu… ou não.

Pensando nisso, ver um post falando sobre sites de colocação profissional me pareceu muito interessante. Na prática eu nunca achei que esses sites funcionam. Até acho que funciona sim, mas não pros empregos que eu procuro. Tenho a impressão que em algumas áreas, o lance de contratar tem muito peso sobre o velho “Q.I”, e coisas assim. Eu não contrataria um profissional de peso pra minha empresa, procurando em sites na internet, quase ao acaso.

Com relação ao Monster Brasil, dei uma chance pra ele. Achei a interface muito web 2.0. Tenho a impressão que acessei meu orkut, e não meu site de CV, mas parece que é essa a proposta deles.

Fiz uma busca rápida na minha área, e achei alguns empregos que parecem relevantes. Não sei se esses empregos são da “parceria” da monster pra iniciar, ou se eles terão folego pra manter essas empresas de nome lá… Só o futuro dirá.

Bom, encerro por aqui, com uma xícara de ervas da sorte (???)… até logo…

E espero que eu ganhei o livro… \o/

Update: Caraca, concordo com o que eu li no site tecnocracia, realmente a interface inicial é muito complicada. De cara, eu tenho que responder sobre toda a minha vida. Mas quando voltei no site pro link de construção de currículo, ele perguntou se eu gostaria de carregar meu currículo direto do word. Será que ele consegue encontrar os dados lá e carregar no lugar correto?

Quando cliquei na aba “meus contatos”, a interface mudou radicalmente, e eu perdi as abas que eu estava antes, pra editar o perfil, e o cv. Ponto negativo.

Ao contrário do que foi dito no post da Samegui, dá pra saber quais empresas estão cadastradas no sistema. Claro, eu tive que fazer uma busca por empresas, sem usar nenhum critério. Mas que dá, dá. :p

E eu não entendi… não controlo as minhas referências? “Ai jizuis…”.. Espero ter deixado boas impressões por onde eu passei…

Ativar!

Pois bem, depois de alguns dias… meses.. anos… enfim, depois de algum tempo com o blog parado, eu resolvi voltar. Já tem tempo que eu estou ensaiando essa volta ao blog, mas nunca arrumava tempo pra isso. Não que eu tenha tempo livre agora, mas estou tentando me convencer de que posso me organizar para fazer tudo que eu preciso.

Essa fase refletiu um pouco a minha própria vida. Mestrado, empresa, novidades, mudança de cidade, de estado… muita coisa mudou, e eu tinha que mudar.

Renovei o layout, fiz algumas pequenas alterações, e agora vou voltar a escrita. Espero trazer pra cá um pouco das coisas que sempre passam pela minha mente mas eu fico com preguiça de escrever, ou as vezes não cabe em 140 caracteres.

Por hora, só estou fazendo um post longo pra marcar (pra mim mesmo) o retorno ao blog. E como sempre, acompanhado de uma boa xícara de café… aceitam?

Retorno ao blog

Fase 1 – completada…

Quão nerd eu sou – V 2.0


NerdTests.com says I'm a Slightly Dorky High Nerd.  Click here to take the Nerd Test, get geeky images and jokes, and write on the nerd forum!

Reinventando a roda

Não achei outro título melhor pro que eu acabei de ver… Semana passada, entre uma twittada e outra, vi que estava acontecendo uma tal de “descolagem“… não me interessei tanto no começo, pois estou perdido entre eventos e mais eventos…
Mais uma vez pelo twitter, essa semana, vi um link enviado pelo @fabioricotta que me chamou a atenção. Um vídeo de uma palestra do Luli Radfahrer (Copiei mesmo, não iria acertar) dada nesse evento (ou seja lá o que for esse tal de descolagem). Foram 60 minutos de algo que eu não pude descrever. Isso se deve principalmente ao fato de que eu estou completando 1 ano de mestrado, ou seja, estou quase no topo da cadeia alimentar de formação de professores aqui no Brasil. E a palestra dele me fez repensar muita coisa sobre o formato do ensino atual e como eu devo me encarar para que eu possa me formar para uma geração que entende mais de web do que eu mesmo posso imaginar. E olha que eu não sou tão velho, mas já existe uma nova geração entrando na faculdade, e atrás dela já vem uma outra geração nova, todas transformadas rapidamente pelas novas tecnologias que são apresentadas todos os dias na internet.
Acho melhor deixar essa discussão pra um outro post (pra ter assunto pra voltar aqui né?), e vamos ao vídeo. Prepare sua melhor bebida e tire 60 minutos da sua vida pra concordar ou discordar do que você verá aqui:

Quem quiser conferir mais, eu achei o vídeo aqui, no site do Ramon.

Ajude SC

Sempre eu chego a mesma conclusão: O mundo está perdido! E a humanidade vai ser responsável pelo fim da humanidade.
Até ai, nenhuma novidade… mas o que eu sempre me pergunto é: Será que vale a pena investir tempo e recursos tentando mudá-la acreditando que ela pode melhorar?
Esse pensamento fica ainda mais forte quando vejo coisas como essa

O que eu acho? Dinheiro eu não deposito. Mas não deixem de ajudar doando roupas, alimentos, água e o que mais for “doável” para ajudar.

O mané do post que eu citei acima não deve estar sofrendo com a água na casa dele… deve ser um daqueles “espertões” que teve tudo salvo (talvez no segundo andar de casa) e saiu pra se dar bem… Mas ele não representa a maioria que foi atingida… eu espero…

Post Fênix

Pois é… estou retirando este blog das cinzas mesmo… 1 ano sem escrever nenhuma palavra aqui… foram muitas mudanças na minha vida… mudei de cidade, de ritmo, de cobranças, de professores, de estilo de curso, de estilo de vida, de idéias… é, a palavra da vez foi mudança!
E ela foi tão grande que me fez afastar de muita coisa, incluindo o blog. Eu não deveria ter me afastado dele, mas não consegui ânimo suficiente pra manter esse projeto rodando nesse tempo. Ensaiei inúmeras vezes um retorno, mas toda vez esbarrava nas minhas coisas, nos meus desafios, nos meus desânimos, na minha expectativa total de mudança, e enfim… chegou o fim do ano.
Lendo um pouco aqui, e um tanto ali, a Nospherat, do blosque veio mais uma vez com o desafio 21 dias. Ano passado eu acompanhei o desafio sem participar, e foi muito legal. Esse ano, resolvi utilizar o desafio como um desafio pessoal. Enquanto eu executar cada uma das 21 tarefas (bloggar é muito mais heróico do que ser um semi-deus grego né?) do desafio, estarei me envolvendo mais e mais com o meu blog de estimação, e no fim, eu espero retornar com força máxima a minha casa, ao espaço que eu briguei tanto pra conseguir.
Falando em desafio, ele já está rolando, e eu já executei o primeiro deles (com auxílio de uma noite de sono perdida… o sono se foi, então aproveitei pra fazer algo). Aliás, já tem 2, e já estamos indo pro terceiro. Melhor não deixar nada pra última hora, ou então não vai ter jeito de concorrer a tal da cesta de natal!! :D
As regras do jogo pedem pra provar que eu fiz a faxina aqui na casa. Aliás, isso é que é começar com tudo. Faxinar logo de cara… Vamos ao saldo final:

1) Pluguins: Fui olhar os pluguins. Desde a atualização, eu já havia tirado alguns, ativado outros. Mas justo o askimet, protetor dos blogs fracos e oprimidos, estava desatualizado. As maravilhas do wordpress me fizeram atualizar ele apenas clicando em um link!!!

Tarefa 1 - update do askimet

Tarefa 1 - update do askimet

2) Spam: Meu blog está a tanto tempo parado, e é tão irrelevante no momento, que não tenho problemas com spam de comentário… pelo menos não ainda. Portanto, tarefa fácil de cumprir.

Tarefa 1 - Limpando spam

Tarefa 1 - Limpando spam

3) Erros de layout: Uso o mesmo layout no site desde o inicio. Como o foco neste momento não é a troca do layout, e sim pequenas correções, só achei conveniente trocar 1 ponto. [momento vergonha] Quando criei este blog, eu achei que tags e categorias eram as mesmas coisas, e no topo do post, eu listava as categorias do texto como se fossem as tags dele. [/momento vergonha]. Portanto, lá vai a correção:

Tarefa 1 - Correção do layout

Tarefa 1 - Correção do layout

Observação: Eu percebi que o layout que eu uso é muito antigo. Foi feito pra uma versão 2.5 do wordpress, e, portanto não suporta totalmente a inserção dos widgets aqui. Porém, não corrigi essa falha agora porque achei mais interessante implementar essa funcionalidade no layout de natal (deve ser uma das próximas tarefas… se não for, será meu compromisso com o blog). Portanto, ficou de fora esse ponto por não afetar o funcionamento da estrutura atual, e por ser coberta com um trabalho só no futuro próximo.

4) Limpando o blogroll: O meu blogroll não está lá muito comprido, mas por enquanto é o melhor que eu tenho. Acho que preciso repensar na política dele, mas por hora, estão listados ali os blogs de pessoas que eu tenho um contato direto, ou seja, já troquei mensagem, ou conheço, ou trabalho na equipe… alguma coisa desse sentido, e não uma lista de “blogs que eu visito”. Isso deve ir pra uma outra lista… Haviam 2 links ali que não estavam funcionando, pois os blogs foram desativados (uma pena). Então, foram retirados.

Tarefa 1 - Limpando o blogroll

Tarefa 1 - Limpando o blogroll

5) Ferramentas para webmaster do google: Neste caso, ela identificou 20 urls com problemas. Porém, todas são bloqueios feitos por mim no robots.txt, feitos sob indicação do Ricotta ([update]Como por exemplo ele fala aqui[/update]), para evitar a indexação de conteúdo duplicado (principalmente indexar feed, que não tem o domínio cafetecnologico.com e conteúdo do site como duplicado). Logo, nenhum problema pra resolver aqui.

Tarefa 1 - Ferramentas do google para webmaster

Tarefa 1 - Ferramentas do google para webmaster

6) Atualizar o próprio wordpress: Neste quesito, eu estou apenas uma subversão atrasado. O que já é perigoso, em se tratando de segurança… Portanto, logo após a publicação deste post, tratarei de corrigir o problema e atualizo o post para avisar da correção! [update]Atualizei… o mais engraçado é que eu estava com a versão 2.6.3 aqui… fiz o tal do upload, e quando olhei, tava pra atualizar pro 2.6.5… e lá vamos nós!!! Atualizado again… [/update]

Creio que com isso eu terminei a tarefa 1. Ufa, que tanto de coisa pra fazer… mas finalmente estou de volta, e dessa vez é pra ficar.

Até logo, e vou tomar um café pra agüentar mais um pouquinho da madrugada… aceita?